Procedimentos

Embolização Pré-Operatória de Veia Porta

Em pacientes com tumores hepáticos existem diversas opções terapêuticas disponíveis, a definição pela mais adequada para cada um é feita de maneira individualizada, e para alguns doentes o tratamento mais eficaz pode ser a cirurgia.

No entanto, nem todos os pacientes que deveriam ser submetidos ao tratamento cirúrgico estão em condições de realizarem o procedimento, um dos motivos que impossibilitam a cirurgia é que o futuro fígado que restará após a ressecção, seja insuficiente para assegurar uma adequada função hepática.

Uma das alternativas para tornar a cirurgia viável é a embolização portal pré operatória, ela deve ser realizada antes da cirurgia, e tem por objetivo  provocar um crescimento hepático da porção do fígado que permanecerá após a cirurgia, garantido ao paciente que haja, portanto tecido hepático em quantidade suficiente para manter o seu adequado funcionamento.

A embolização é realizada acessando a veia porta de forma percutânea por acesso transparietohepático, permitindo progredir cateteres através dos quais se administram material embólico como cianoacrilato, coils e partículas, que vão ocluir a circulação portal no lobo que será removido na cirurgia e, desta maneira, provocando o estímulo para a hipertrofia do fígado remanescente, que será máxima dentro de 3-4 semanas.

onco8
Portografia inicial  / Aspecto após injeção do embolizante
onco7
Ramos portais preenchidos por embolizante

O procedimento é realizado através de sedação e anestesia local, com média de permanência hospitalar de 24horas, recebendo alta no dia seguinte.

Portanto, a embolização portal pré-operatória pode aumentar o número de candidatos para o tratamento cirúrgico, diminuindo também as possíveis complicações do mesmo.

Volumetria do lobo hepático esquerdo antes e após embolização, demonstrando importante aumento de suas dimensões.
Volumetria do lobo hepático esquerdo antes e após embolização, demonstrando importante aumento de suas dimensões.